segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Queime Depois de Ler


Nesta última sexta-feira eu estava muito indeciso sobre que filme ir conferir no cinema. As opções mais viáveis eram Feliz Natal (curiosidade em ver Selton Mello na direção), Rede de Mentiras (não é bom desprezar um Ridley Scott) e Queime Depois de Ler (filme que, pelo trailer, não surtiu nenhum efeito em mim). Inclusive cheguei a pedir o conselho do Robson (Portal Cine) e chegamos à conclusão de que o filme nacional seria uma boa pedida. Tudo mudou de rumo quando minha prima, cinéfila como nós, praticamente me arrastou para assistir ao filme dos irmãos Coen. Após sair da sessão (demoramos a sair da sala, já que há ótimo final), agradeci muito a ela, pois o filme foi uma grata surpresa.

Primeiro quero deixar bem claro que prefiro o cinema “sério” de Joel e Ethan, exemplificado por
Onde os Fracos Não Têm Vez, ao cinema que sempre prima pelo humor negro e sarcástico. Esta é a razão pela qual não estava nem aí para este Burn After Reading: segundo Cassiano (Museu do Cinema), o filme “é uma mistura de Fargo com O Grande Lebowski” e isso me incomodava um pouco, uma vez que não morro de amores por ambos. Logo, o improvável aconteceu, pois desde a primeira cena eu achei este novo trabalho dos irmãos muito legal. O filme gira em torno de vários personagens que se vêem interligados por um CD que contem dados confidenciais sobre Osborne Cox (John Malkovich), um veterano e ex-agente da CIA (acaba de ser demitido). Sua esposa, Katie Cox (Tilda Swinton), tem um caso com Harry Pfarrer (George Clooney), um ex-policial meio maluco que tem mania de perseguição e está desenvolvendo um aparelho super moderno (um tipo de vibrador). Numa academia de ginástica, não muito longe disso, estão Chad Feldheimer (Brad Pitt) e Linda Litzke (Frances McDormand): ele é um personal trainer muito do animado e ela é uma mulher infeliz afetivamente que vive arrumando encontros com caras que conhece na internet. Um belo dia, Chad encontra o tal CD confidencial (que, por acidente foi parar na academia e isso é bem explicado no filme) e, junto com Linda resolvem chantagear Osborne Cox. A cena em que isso ocorre, por telefone (!!!!) é muito, mas muito hilária. Mas como Katie Cox e Harry Pfarrer entram nessa jogada? Simples: forma-se uma figura geométrica amorosa, pois Harry conhece Linda pela internet e eles começam um caso (percebam a figura geométrica: Clooney com Frances e Tilda e esta com o marido. A esposa dele (Elizabeth Marvel), por sua vez, também o trai). A fita trabalha toda essa intersecção entre eles e desenvolve uma trama incrível em que loucura, conspiração, CIA e ousadia se unem. Isso resulta no melhor filme de Joel e Ethan, salpicado pelo humor negro, que já vi.

A direção é muito inteligente e cautelosa, mas ainda assim existem certos pontos que continuam me incomodando e, por coincidência, foi o aspecto que fez o filme perder um pouco de nota. Algumas pontas ficaram soltas e uma certa confusão se instalou, por oras. No mais, a mistura de sentimentos ao longo da reprodução é impressionante. Chorei de rir em várias cenas, fiquei tenso e até estatizado em outras. A técnica da fita é correta, começando pela fotografia e terminando na bela trilha sonora, mas o melhor da película não está nem na direção e nem na parte técnica. O elenco, provavelmente, estará entre os melhores da temporada. O trabalho dos atores é algo magnífico, sensacional! No começo fiquei muito preocupado, já que cada um deles é tão bem desenvolvido e caracterizado que pareciam caricatos. Mas no decorrer de tudo eles foram mostrando uma química fabulosa. O destaque vai para o trio Brad, Frances e John (os demais também estão ótimos, mas estes estão num patamar acima). Ouso em dizer que, se a concorrência não estivesse tão forte, indicaria os três ao Oscar. Alguns vão achar esquisita a minha nota, pois por esses dias disse que seria 8,2. Mas hoje, para melhor me embasar, revi algumas cenas e ela subiu merecidamente. Um exemplar interessante de uma dupla de diretores que provam saber utilizar humor com inteligência.


Nota: 9,0


Burn After Reading; EUA, 2008; DRAMA/COMÉDIA; de Joel e Ethan Coen; Com: Brad Pitt, Frances McDormand, John Malkovich, George Clooney, Tilda Swinton, Richard Jenkins.

25 comentários:

Mayara Bastos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mayara Bastos disse...

Olá, Kau! tdo bem?

Parabéns pela crítica! Sobre "Queime Depois de Ler", quero muito ver. Gosto muito deste lado humor dos Coen, apesar de eu ser uma das únicas pessoas da face da Terra que gosta de "Matadores de Velhinha". Gostei de "Onde os Fracos Não Tem Vez", mas não achei tudo isso que falaram, rsrs.

Beijos e tenha um ótimo começo de semana!! ;)

Pedro Henrique disse...

Até eu assistir "Queime Depois de Ler", "Vicky Cristina Barcelona" era meu preferido do ano. Mas os irmãos Coen são demais. Não adianta!

Abraço!

THIAGO PAULO disse...

Nossa, esse filme não me chama muito atenção não. E que não gostei de Onde os Fracos não tem Vez, e mesmo esse sendo comédia, diferentemente de Onde os Fracos...Não vou ver, nem quando cehgar em dvd.


Abraços..

Kau disse...

Oi Mayara, tudo ótimo e vc?Obrigado pelo elogio. Eu não sou o ggrande fã dos Coen nem mesmo do humor deles. Mas me surpreendi MUITO com este filme. Vale a pena!! Bjos e boa semana.

Perão, Vicky provavelmente nem entrará no meu top 20 da temporada, o que é uma pena. Já Burn entra com louvor até no top 10!! Abraços.

Thiago, por que não? Eu próprio, como disse, não sou fã do humor sarcástico deles. Mas Burn foi uma ótima surpresa. Onde os Fracos, pra mim, é o melhor filme dos caras... Abraços.

Robson Saldanha disse...

Como já havia dito, não tenho tanta vontade de ver este filme mas já estou começando a mudar de idéia... hehehehe mas ainda tenho outras preferências, é muito filmeee... haja dinheiro!! hehehe

Pedro Henrique disse...

Kau, o que você já viu dos irmãos Coen?

Kau disse...

Robson, HAJA DINHEIRO!! Fim de ano, temporada... é sempre assim. Mas assista, vc vai curtir.

Pedrão, antes de citar os filmes, friso uma coisa: Queime Depois de Ler é a melhor fita deles que têm humor negro e não a melhor de todas, entende? Ok, vamos aos que vi...
- Onde os Fracos...
- Paris, Te Amo (o curta)
- E Aí Meu Irmão, Cadê Você
- Matadores de Velhinhas
- O Homem que Não Estava Lá
- O Grande Lebowsky
- Fargo
- Gosto de Sangue
- O Amor Custa Caro
- Ajuste Final

Pedro Henrique disse...

Muito bem! Então você só não viu Arizona Nunca Mais, Na Roda da Fortuna e Barton Fink, que eu considero o melhor. Bom, provavelmente você não vai gostar mais deles depois de ver o filme, mas fica aí a dica!

Kau disse...

No way! Pedrão, vc é a segunda pessoa conhecida que considera Barton Fink o melhor dos caras! Pode deixar que as dicas estão mais que anotadas... Abraços, guri!

Alyson Xyzyx disse...

Mais uma vez elogiado e mais uma vez aumentando a minha vontade de vê-lo.

Abraços!

cinefilapornatureza disse...

Geralmente, eu gosto muito dos filmes que os Coen fazem neste estilo. Confesso que já esperava que, em algum momento, a confusão se instalasse no filme, mas é bom ver que a obra possui uma excelente qualidade.

cinevita disse...

Bom saber. Não chegou aqui ainda. Mas to sem tempo mesmo...

Ciao!

Kau disse...

Alyson, me surpreendi com a quantidade de elogios mesmo. Pois foi um filme até pouco falado... Abraços!

Kami, tem bastante qualidade. Vale a pena!! Bjos.

Wally, mas quando estrear, tente vê-lo. Abraços!

Jonathan Rodrigues disse...

mayara, tb gostei de matadores de velhinha, não sei se porque vi poucos filmes dos coens até agora, mas este me agradou

sobre burnf atfer reading
é SUIMPA! SENSACIONAL!

a cena da chantagem pelo telefone pe a melhor do filme, tanto por ser hilária mas por armar perfeitamente a confusão onde ele(ou eles heehe) vai pintar e bordar, a cena é perfeitamente conduzida e é muito dependente da atuação para se fazer válida, o que no caso foi ótimo já que pitt a fez perfeitamente

Vinícius P. disse...

Fiquei surpreso com sua reação em relação a esse "Queime Depois de Ler", o qual parece ser o melhor dos Coen nesse ano - particularmente, não vi grande coisa em "Onde os Fracos Não Têm Vez", apesar de ser um ótimo trabalho da dupla.

Johnny Strangelove disse...

Gostei e muito do filme ...
Mas preciso rever para ter um realce melhor ... mas com certeza é uma ótima pedida ...

Abraços

Kau disse...

Jonathan, essa cena é MUITO BOA mesmo!!!

Vinícius, eu tb fiquei surpreso comigo mesmo. Não esperava nada do filme.

João, como eu te disse, eu tb tive que rever uns pedaços do filme. É sempre bom fazer isso... Abraços!

Hugo Leon disse...

Já eu, estou preferindo os Coen's mais leves. Este mesmo, achei até melhor que ONDE OS FRACOS ...

Museu do Cinema disse...

Então que grata surpresa Kau. Viu e gostou, e ainda me citou no post. Valeu!

Museu do Cinema disse...

Poderosa essa sua prima cinéfila. Seria a Kamila?

Kau disse...

Hugo, primeiro obrigado pela visita. Agora, vc acha que os Coen têm algo leve em sua filmografia, hahahahahah?

Cassiano, por nada. De fato, foi uma ótima surpresa. E não! INFELIZMENTE a minha prima não é a Kamila! Abração.

Romeika disse...

Ah, este filme eh muito divertido! Ao contrario de vc, eu gosto bastante dos filmes mais leves dos irmaos Coen, preferi esse inclusive ao filme anterior vencedor do Oscar. O elenco eh excelente, sem duvida um dos melhores q vi em filmes este ano:) Tb ri horrores em varias cenas hehe Bjs!

Vulgo Dudu disse...

Interessante conferir o que os caras que acabaram de emergir das profundezas do underground andam fazendo depois de serem premeados com a estatueta! Tô doido para ver!

Abs!

Kau disse...

Romeika, minha nota para onde os fracos foi quase a mesma. Mas em termos de gosto pessoal, sem ser crítico, prefiro esta noa e deliciosa comédia! Bjos.

Dudu, exatamente! E vale muito a pena; espero que vc possa ver logo. Abraços!