sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Especial Oscar, Parte I: 2007

Antes de soltar a minha lista oficial com as primeiras apostas para o próximo Oscar, resolvi lançar algumas análises sobre esta badalada, política e chiquérrima festa (os grandes estilistas que o digam). Na verdade, postarei textos sobre as duas últimas cerimônias (2007 e 2008, como comumente faço), comentando sobre possíveis injustiças nas categorias principais. Mas para ficar menos cansativo, justificarei somente as categorias de Melhor Filme, Direção, Ator e Atriz. As outras serão apenas mostradas. É óbvio que tudo o que vocês lerão, não é nenhum tipo de verdade imutável; podem discordar à vontade.


Melhor Filme:
Fonte da Vida, A Rainha, Cartas de Iwo Jima, Vôo United 93 e Pecados Íntimos.

Sim, eu tiraria o sinônimo da pretensão (Babel) e principalmente aquele filme a que muitos se referem como sendo uma obra-prima: Os Infiltrados. Este filme é um ramake; mas prefiro usar o termo cópia. Scorsese, a meu ver, copiou o filme de Hong Kong Conflitos Internos que, diga-se de passagem, é muito superior. Com a maior dor no coração, também tirei o belíssimo Pequena Miss Sunshine, mas isso só ocorreu por causa da concorrência. Muitos discordam, mas acho A Rainha extraordinário: retrata a turbulenta relação entre os soberanos ingleses pós falecimento de Diana. Clint não foi bem com A Conquista da Honra, mas me deixou boquiaberto com Iwo Jima; filme, este, com um roteiro maravilhoso e uma técnica impecável. As fitas de Greengrass e Field me conquistaram pela genuína ousadia, mas, nesta categoria, o melhor era Fonte da Vida. Uma história de amor contada com uma pitada de ciência e filosofia que transcendem tudo.


Melhor Diretor: Paul Greengrass (Vôo United 93), Alfonso Cuarón (Filhos da Esperança), Guillermo del Tor (O Labirinto do Fauno), Darren Aronofsky (Fonte da Vida) e Pedro Almodóvar (Volver).

Scorsese já expliquei, e Iñárritu peca pelo excesso exacerbado de pretensão. Stephen e Clint ficaram de fora pela concorrência. Assim, vocês podem notar que o único que permaneceu foi Paul. Óbvio que tinha que ficar, pois a sua direção é, pra mim, a melhor daquele ano, ao lado da de Alfonso (apesar de ter uns problemas com Filhos da Esperança, reconheço a magnífica direção) e Darren. Guillermo também merece menção, pois juntou guerra civil com fantasia de forma impressionante e Pedro não está aqui só por que sou fã. Volver é uma história absurdamente tocante e que foi conduzida lindamente pelo espanhol.


Melhor Atriz: Helen Mirren (A Rainha), Judi Dench (Notas Sobre um Escândalo), Penélope Cruz (Volver), Nicole Kidman (A Pele) e Maggie Gyllenhaal (Sherrybaby).

Já estou esperando ser demasiadamente criticado por vocês, já que Kate Winslet não está na lista. Chutando o balde, digo que não acho que ela tenha feito algo tão extraordinário quanto dizem. Uma atuação, sim, muito correta, mas nada de inesquecível. Com dor no coração, Meryl também ficou de fora. Esta é a atriz preferida, hoje, do Bit of Everything, mas em O Diabo Veste Prada eu ainda acho que sua interpretação é secundária. Helen e Judi em duas das melhores atuações desta década e Penélope transbordando emoção. Sherrybaby tem seus vários erros. Mas o que é Maggie aqui? Sem dúvidas, uma atriz notável. Agora vem a outra polêmica: Nicole Kidman. Gosto muito dela, contudo consigo dizer quando ela faz algo ruim, mas sua Diane Arbus é tão complexa que quase chega a ser mais um tour de force no ano.


Melhor Ator: Ulrich Mühe (A Vida dos Outros), Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia), Peter O’Toole (Vênus), Mads Mikkelsen (Depois do Casamento) e Rolf Lassgard (Depois do Casamento).

O único que foi eliminado de primeira foi Will Smith. Alguns sabem da minha antipatia por ele. Este seu personagem é bom, mas nada de “lembrável”. Gosling também não me deixou tão chocado com seu Half Nelson e Leonardo merece os elogios, mas faltou espaço para ele. O melhor do ano era Ulrich; uma atuação das mais precisas e sensacionais desta década. Forest está excelente, assim como Peter. Pretensão colocar dois atores do filme dinamarquês dentre os indicados, não é? Isso é necessário. O filme é brilhante e o seu elenco idem. A dupla Mads e Rolf estão afiados durante toda a película.


Melhor Atriz Coadjuvante: Cate Blanchett (Notas Sobre um Escândalo), Adriana Barraza (Babel), Stine Fischer Christensen (Depois do Casamento), Sidse Babett Knudsen (Depois do Casamento) e Carmen Maura (Volver).



Melhor Ator Coadjuvante: Jackie Earle Haley (Pecados Íntimos), Brad Pitt (Babel), Jack Nicholson (Os Infiltrados), Djimon Hounson (Diamante de Sangue) e Michael Shannon (Possuídos).



Melhor Roteiro Adaptado: Anders Thomas Jensen (Depois do Casamento), Tom Perrotta e Todd Field (Pecados Íntimos), Patrick Marber (Notas Sobre Um Escândalo), Ron Nyswaner (O Despertar de uma Paixão) e Ryan Murphy (Correndo com Tesouras).



Melhor Roteiro Original: Pedro Almodóvar (Volver), Michael Arndt (Pequena Miss Sunshine), Peter Morgan (A Rainha), Guillermo Del Toro (O Labirinto do Fauno) e Darren Aronofsky (Fonte da Vida).

Melhor Filme Estrangeiro: Volver (Espanha), Depois do Casamento (Dinamarca), O Labirinto do Fauno (México), A Vida dos Outros (Alemanha) e Vitus (Suíça).

16 comentários:

Alexsandro disse...

Volver em Filme Estrangeiro?????
Vc vive dizendo q quem deveria ter ganho era Depois do Casamento...
Não entendi agora

Vinícius P. disse...

Acho que "Depois do Casamento" ganharia dentre os que foram indicados, mas o preferido do Kau é "Volver" (acho que é mais ou menos isso, não?).

Adorei as vitórias da Helen Mirren e do Ulrich Mühe!

cinefilapornatureza disse...

Comentando categoria por categoria:

Melhor Filme - Gostei bastante de sua lista. Meu vencedor seria "A Rainha".

Melhor Diretor - Gostei dos seus indicados. Meu vencedor também seria Greengrass.

Melhor Atriz - Não indicaria Nicole por "A Pele". E Helen Mirren é indiscutível como "A Rainha".

Melhor Ator: Ainda não vi "Depois do Casamento". E gosto da performance de Ulrich Muhe.

Melhor Atriz Coadjuvante: Me incomodo bastante com a classificação de Blanchett nesta categoria, já que ela é co-lead em "Notas Sobre Um Escândalo".

Melhor Ator Coadjuvante: Meu vencedor seria Jack Nicholson.

Melhor Roteiro Adaptado: Ron Nyswaner, por ter criado o último bom romance que vi.

Melhor Roteiro Original: Adoro Almodóvar, mas Peter Morgan é genial.

Melhor Filme Estrangeiro: concordo com sua escolha.

Bom final de semana! Beijos!

Kau disse...

Alexsandro, é exatamente o que o Vinícius disse. Dentre os indicados do Oscar, daria a vitória ao dinamarquês (como não tinha Volver).

Vinícius, Mirren e Ulrich estão fascinantes em seus respectivos filmes.

Kami, concordamos em várias coisas, né? Jack Nicholson era minha segunda opção, assim como Peter Morgan!! E Nicole, por A Pele, não poderia faltar na minha lista. Fiquei impressionado com ela. Bjos e ótimo fds pra você tb!

kaio oliveira disse...

então...eu nem falo o que acho de Os Infiltrados hehe.mas o restante da lista é bem justa.

Alyson Xyzyx disse...

Olha, sou fãzaço de Del Toro (Considero até "Hellboy 2" um filme excelente. Pra mim, ele pode mudar o mundo se todas as crianças vissem seus filmes. Portanto, melhor filme estrangeiro e melhor roteiro original (política + fábula ? Demais!) iria pra ele, com certeza. Além também de achar que Asheley Judd deveria ao menos ser lembrada em "Melhor atriz". Entre ela e Mirren, admito a minha dúvida.

Abraços!

Kau disse...

Kaio, sei bem o que achas sobre o filme do Scorsese =)

Alyson, a direção e o roteiro criados por Del Toro são espetaculares mesmo. Já sobre Ashley concordo e discordo, hahahahaha. Ela está irreconhecível em Possuídos (assim como o Shannon), mas não tinha espaço para ela. Abraços!

Jonathan Rodrigues (Conta do Orkut) disse...

ainda bem que voce não fez a lista de animaçõ kau hahhaha

gostei dos vencedores em algumas coisas, claro que discutiria o de melhor filme e talvez ujm ou outro, mas são listas bem boas

cinevita disse...

Várias discordâncias mas, no total, gostei de suas escolhas. Acho Fonte da Vida ótimo e grandiosamente subestimado.

Ciao!

Taty Macoli disse...

adooooooro Volver! É o meu preferido do Almodóvar e era a minha escolha tb!

=D

Alyson Xyzyx disse...

hahaha, tudo bem. Acontece é que eu virei fã dela, cara. Ainda mais em um filme de horror, ouso a compará-la com uma Bette Davis ou uma Hayward.

Abraços!

Kau disse...

Jonathan, não fiz a de animação pq sabes que enm entendo mto... rsrs

Wally, Fonte da Vida é subestimado pq muitos não se esforçam em entendê-lo. Abraços!

Taty, Volver não é meu preferido do espanhol, mas está entre os 3 que mais adoro.

Alyson, eu acho ela boa atriz. Em vários filmes ela me surpreendeu. Mas acho que não compararia com Bette Davis, hahahhhahahahaha. Abraços!

diasdechuva disse...

bem legal a sua lista Kauzito!
Volver é maravilhoso mesmo!
bjooooooo

Romeika disse...

Eu acho que "A Fonte" eh o tipo de filme que uns amam e outros odeiam, e eu fico com a segunda opcao. O vi no cinema, faz um tempinho, e juro, quase adormeco no meio da sessao (cheguei a fechar os olhos varias vezes). Mas penso em reve-lo qualquer dia.

Adorei a selecao de atrizes, ainda que prefira a Kate Winslet no lugar da Nicole, por exemplo (mas ela tb esteve excelente em "A Pele"). Penelope e Maggie foram duas das minhas favoritas tb.

Sérgio Déda disse...

Discordo de Os Infiltrados... na minha opinião o longa de Scorsese é superior ao ótimo Conflitos Internos... além de ser uma direção mais madura, envolvente e inteligente o roteiro de Monaham adapta a trama de maneira fantástica para Boston e corrige as pequenas falhas no roteiro do filme de Hong Kong... tenho os dois dvds aqui e um dia assisti um seguido do outro sem parar hehehe
Preferi mais ainda Scorsese...

Concordo com Babel... achei pretensiosismo e superficialismo puro...

abraço!

Kau disse...

Vivi, Volver é lindo mesmo!! Bjos.

Romeika, exatamente. Mas como vc pôde ver, eu me encaixo no primeiro grupo, hahahahahaha. Achei o filme genial e me apixonei mais ainda quando, numa aula de filosofia, estudei a sua história. Sobre a Kate, ainda acho seus personagens em Brilho Eterno e Razão e Sensibilidade muito melhores.

Sergio, eu já acho o contrário. Conflitos Internos é muito mais correto e bem feito que Os Infiltrados. Mas isso é questão de gosto mesmo, rs. Abraços!