segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Adaptações - Parte III

3. Golpe de Misericórdia, de Marguerite Yourcenar (Ano: 1938/1939)



Como prometi, volto a falar dos três últimos livros que gostaria de ver em formato cinematográfico. Acredito que este e o próximo sobre os quais falarei, serão os mais desconhecidos por vocês. Mas, por um lado, isso é bom, pois posso despertar o desejo de uma futura leitura satisfatória. Golpe de Misericórdia foi escrito em 1938 e lançado em 1939, três meses antes da eclosão da Segunda Grande Guerra. Sua autora é a belga Marguerite Yourcenar, a qual é infelizmente desconhecida pela maioria. Esta não é sua obra-prima (quem leva este título é o ousado As Memórias de Adriano), mas ainda assim é o livro que mais admiro desta escritora. É um romance curto, denso e que pende para a tragédia. Apelando, como sempre, para dramas históricos, Marguerite nos apresenta uma história que se desenrola entre a Primeira Grande Guerra e a Revolução Russa, a qual narra a vida de três personagens – dois homens e uma mulher fantástica – numa região obscura dos Países Bálticos, isolada pela revolução e pela guerra. O livro escracha uma relação muito original de ódio e amor entre estes três personagens e, utilizando como pano de fundo as transformações do pós-guerra, esmiúça de forma magistral a vida de cada um deles. A obra se aproxima muito de nós, já que a desordem moral que ela descreve permanece a mesma em que fomos e estamos cada vez mais mergulhados. Não diria que é uma história de amor, mas sim um quase puro conflito de paixões e vontades entre três seres submetidos às mesmas privações e aos mesmos perigos. O romance foi acusado por ter exaltado e desacreditado em algumas classes, países e partidos; mas ele não tem este objetivo, absolutamente. Como falei, ele possui fortes inclinações para a tragédia e a parte final, bruta e fria, prova isso. Fica claro, então, que a cena que deveria ficar perfeita, seria o desfecho do possível longa.

Em termos de escalação, não serei tão ousado. Gostaria de ver algo clássico, ou seja, locações dramáticas que contribuiriam com uma bela fotografia, uma trilha intensa (provavelmente Ennio Morricone) e figurinos simples, mas audaciosos. Acredito que é o tipo de filme que precise ser roteirizado e dirigido pela mesma pessoa e quem vem a minha cabeça é Stephen Daldry. O livro possui uma trio, como já mencionei, mas também existem alguns outros personagens. Vou me ater aos três, somente: Eric (James McAvoy – mesmo achando-o um ator fraco, ele tem um estilo clássico que daria certo), Sofia (Keira Knightley, já que o papel parece ser feito para ela) e Conrad (Jude Law). Acredito piamente que desembocaria numa bela fita, onde amor será confundido com ódio, e final feliz com tragédia.

____________________________________________
Aproveito para dizer que terminei de ler Onde os Velhos Não Têm Vez e digo que este foi adaptado de forma impressionante e perfeita. Ainda preparo um texto sobre o livro e o filme, aguardem!

10 comentários:

Marcel Gois disse...

Opa, estou passando só para lembrar que o prazo de envio das apostas para o 1º Bolão do Talking About Movies está chegando ao fim. As apostas para a 1ª fase serão fechadas as 24h do dia 21 (proxima quarta-feira). Não deixe de participar. Contamos com suas apostas!
Abraço.

Museu do Cinema disse...

Não conhecia esse!Mas tb não me empolgou nada!

Vinícius P. disse...

Pelo tom da história, parece que o Stephen Daldry seria um diretor interessante para adaptar o livro mesmo. E Knightley/McAvoy poderia ficar um pouco "Atonement 2", não? Mas ela sem dúvida é perfeita para esse tipo de papel. Abraço!

THIAGO PAULO disse...

Olá...Realmente o livro parece ser bem interessante...e adaptação da maneira que você descreveu...seria perfeita. Poderia até procurar para ler, mais não encontrá-lo por aqui...tenho certeza disso!

Abraços...

Kau Oliveira disse...

Marcel, valeu pelo aviso! Acabei de madar a lista vitoriosa hahahahahaha! Abraços.

Cassiano, o livro parece bem qualquer coisa à primeira vista. Mas é bem complexo, no fim das contas.

Vinícius, não penso num "Atonement 2" por que a história é bem diferente. Pensei num elenco que se desse "bem" em filmes históricos. Abraços!

Thiago, o livro é interessante, mas difícil de achar, infelizmente. Abraços!

Museu do Cinema disse...

Três grandes atrizes de hollywood ai em cima Kau!

Alex Gonçalves disse...

Kau, primeiro parabéns pela imagem de cabeçalho, que ficou dez!

Agora, acho que já me envergonhei demais dizendo que faz tempos (anos) que não pego um livro sequer para ler. Nem comecei a ler "Pesadelos e Paisagens Noturnas" do Stephen King que peguei emprestado ano passado e não cumpri a promessa que fiz a mim mesmo de ler o mais depressa possível "Veronika Decide Morrer", que está esquecido entre os meus arquivos do computador.

Enfim, acho que as suas opções para comandar a adaptação desse romance foram muito bem pensadas por você, mas acho que não incluiria o James McAvoy pelo mesmo motivo descrito pelo Vinícius. Pela história, acho que pensaria no Ewan MacGregor no lugar dele.

Abraços!

Mayara Bastos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mayara Bastos disse...

Olá, Kau! Tudo bem?

Parabéns pela nova parte de Adaptações, que acompanhei sempre seus textos. Tenho que falar a verdade, nunca ouvi falar deste livro e gostei das suas opções, principalmente em ter a trilha de Ennio Morricone (ele é o cara, rsrsrs!)

E sobre "Onde os Velhos não Tem Vez", ainda não o li, mas digo que o filme é bom, mas a minha nota vai de 7,5 a 8,0, rsrs.

Beijos! ;)

Kau Oliveira disse...

Cassiano, sou doente por essas três!

Alex, eu sempre procuro ler alguma coisa, mesmo que a leitura demore. Especialmente nas férias eu leio bastante. A escolha de James, pelo oq percebi no livro, seria acertada. Ewan é meio velho para o papel rsrsrsrs. Abraços!

Mayara, obrigado! Já estou quase no fim deste ''especial'' sobre literatura. Faltam apenas mais dois, sendo que mudei de idéia sobre o último hahahaha. Este Golpe de Misericórdia é suuuper curtinho, mas vale a pena! Gosto muito da adaptação de Onde os Velhor Não Têm Vez para o cinema. Beijos!