quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

O Poder do Cinema


Muito se fala sobre o poder da música na vida das pessoas, ou ainda sobre como uma obra literária muda a maneira de o leitor viver. Reconheço que músicas como “Many Rivers to Cross” (Annie Lennox) e livros como “Ensaio Sobre a Cegueira” (José Saramago) me ajudaram a resolver algum problema e, de certa forma, mudaram alguma parte do meu ser. Mas e quanto ao Cinema? Acredito que vários filmes contêm o ingrediente certo para direcionar pessoas em alguma decisão. Inclusive há cineastas que criam materiais justamente para propor uma reflexão, a qual pode ser bem-vinda.

Mas não falo apenas em fitas óbvias, ou seja, que já pelo título sabemos que vieram com uma mensagem embutida. Alguns exemplares surtem efeito de formas absolutamente inusitadas, pois não têm a intenção de nos levar a pensamentos emocionais, por exemplo. Quem é que não aprendeu o que é amar um filho (em qualquer circunstância) com a personagem de Ellen Burstyn em O Exorcista? Ou então não conseguiu absorver todo o embasamento bioquímico acerca de O Óleo de Lorenzo? Ou ainda não aprendeu um pouco sobre questões sócio-econômicas no caricato sertão de A Máquina? Ora, estes três exemplos não nos propõe as conclusões das quais falei. O Exorcista é terror que pende quase que integralmente para questões de fé e crença, e não questões afetivas materno-filiais; O Óleo de Lorenzo, ao contrário do anterior, apega-se exclusivamente ao genuíno amor entre pais e filhos e a idéia de George Miller não era dar uma aula de bioquímica; o centro do nacional A Máquina é sobre amor e até onde você iria para conquistar quem ama, o que não implica num estudo geopolítico sobre o Sertão Nordestino. Entendem onde quero chegar? O Cinema tem o poder de nos enganar. Aparentemente podemos achar que é uma mera comédia e realmente o é. Mas se pararmos para pensar pode vir com ela alguma informação de valia – mesmo sem intenção.

Por mais simples que seja o feed back, ele pode fazer a diferença. É mais fácil, contudo, darmo-nos por convencidos de certa mensagem quando é exatamente isso que a película nos apresenta. É o caso da bela lição sobre não desistirmos da vida que temos em Magnólia, a maravilhosa viagem de Kombi com os Hoover em Pequena Miss Sunshine (e ensinamentos sobre união e originalidade familiar), o conto mais que indelével sobre compaixão e amizade em Central do Brasil. Maneiras mais espontâneas e diretas de presentear o espectador com momentos lindos, comoventes, inteligentes e necessários, os quais também podem estar, mesmo como um artifício secundário, em filmes “descompromissados” com este tipo de abordagem.

O ponto é: todos estes ensinamentos podem estar incrustados em filmes, sejam entrelinhas, sejam propositais. Desta forma, a Sétima Arte é impressionante e tem ou não o poder de mudar vidas? Falando por mim ouso em dizer que algumas fitas me ensinaram muito e, sendo mais específico, algumas delas funcionaram como divisores de água: fizeram existir um “Kauê pré-filme” e um “pós-filme”. Sem medo de errar, digo que não conheço um cinéfilo que não tenha sido presenteado com um material destes que contêm o poder.

19 comentários:

- cleber ! disse...

Acho a inteligência do cinema, a mais soberana de todas, por ser mais "vivida" diriamos assim ... enquanto acompanhamos uma seção varias coisas passam por nossa cabeça ... acho que, por exemplo, nosso filme favorito (varia de cada um), tem um significado muito importante!

cinevita disse...

Excelente texto. Cinema é meu maior mentor, aprendi muito com esta arte e pretendo aprender muito mais. E sim, muda diariamente minha vida, meus sentimentos e meu olhar sobre as coisas. É o poder do cinema, oras...

Ciao!

Sérgio Déda disse...

Você está absolutamente certo Kau...
Não fosse o cinema hoje minha noção de vida, cultura, relacionamentos... seria completamente diferentes... se hoje possuo (acho que sim rsrsrs)
devo muito ao cinema...
O´timo texto!

jeff disse...

muito sincero o seu texto, kau. gosto de ler coisas assim.
eu não consigo imaginar o que eu seria hoje sem o cinema, acho que, no mínimo, um tanto vazio. além do que já aprendi e os valores que me deu, as emoções e sensações que o cinema me passa são indescritíveis. e acredito no seu poder. já recomendei muitos filmes às pessoas por acreditar que a arte do cinema é capaz de mudar um pensamento, de renovar o modo de encarar a vida de qualquer pessoa.
é por isso que o amamos tanto, né? =)

[]s!

Hugo disse...

No cinema você aprende sobre cultura, arte, educação, história, relacionamentos e sem dúvida pode usar tudo o que for bom na sua vida. Se você listar tudo o que aprendeu com o cinema, vai perceber a grande importância dele em nossas vidas.

Abraço

Kau disse...

Cleber, não sei diria inteligência. Mas uma das artes soberanas, sem dúvida é. Credito tudo o que falei ao teatro também.

Wally, obrigado. De fato, a cada filme que vejo, por mais falho que seja, eu tira algum coisa que valha. Abraços!

Sergio, obrigado. Concordo plenamente com você! Minha vida 'pós cinema' era um caos, hahahahahaha. Era a pior pessoa do mundo para conversar e vivia reclmando da vida. Depois que conheci o verdadeiro poder da Sétima Arte muita caisa mudou.

Jeff, obrigado. Não consigo, mesmo, imaginar um mundo sem cinema. Pode ser que o nosso refúgio fosse em outras artes, mas acho que o cinema, ao lado do teatro, é o material mais verdadeiro que existe. Adoro indicar fitas para amigos e, depois, escutar elogios do tipo "que filme maravilhoso! Mudou minha aneira de pensar sobre isso..." Abraços!

Hugo, exatamente. O Cinema é um eterno professor. Abraços!

Matheus Pannebecker disse...

Kau, excelente texto!
O cinema tem o poder de transformar pessoas e é exatamente essa magia que faz com que a sétima arte tenha tantos seguidores!

cinefilapornatureza disse...

É por essas e outras, Kau, que eu acho que o cinema é uma arte que tem o papel de nos ajudar a compreender a vida, o mundo em que vivemos e que nos ajuda a nos inserir da melhor forma no meio disso tudo.

Beijos e bom final de semana!

Vinícius P. disse...

Que belíssimo texto, Kau! Realmente o cinema tem um poder sobre nós que fica até difícil de explicar, algo que nos ensina e emociona constantemente. Abraço!

Kau disse...

Matt, valeu. Realmente o Cinema é algo mágico!

Kami, e é por essas e outras que eu acho que um filme não precisa ser grandioso e cheio de pompa para nos ensinar algo. Pode ser simples... Beijos e ótimo fds!

Vinícius, obrigado. Concordo com o que você disse. Abração!

Robson Saldanha disse...

Tinha feito um texto enorme. (argh!) Concordo com tudo que falou e às vezes a minha cotação leva muito em conta fatores como esse, o simples fato de tocar quem vê e mostrá-lo outros aspectos da vida. Tudo que nos faz ter experiência é válido. Texto de excelência!

Abraço!

THIAGO PAULO disse...

Kauê...e justamente por isso que sou cinéfilo...e desses tipo de filmes que mais amo assistir. O filme que te ensina e o filme que você se indentifica com o roteiro são os melhores.

Belo post...e Até Mais...

Kau disse...

Robson, exatamente! Quer um exemplo? "Mamma Mia - O Filme". Me fez tão bem, mas tão bem, que a sua nota foi super alta. Na verdade, consigo, mesmo assim, ser crítico e descontar pelo que merece. Mas no geral, também levo isso em consideração. Abraços!

Thiago, também sou cinéfilo por este motivo. Eu vivo me colocando no lugar de personagens, hahahaha. Abraços e até!

Rafael Moreira disse...

Cinema é uma fonte de aprendizado fascinate. Como diria Bertolucci "É uma maravilhosa máquina do tempo: é possível apresentar aos jovens de hoje os jovens da década de 60 que tinham um objetivo pelo qual lutar". Cresci ouvindo que o maior prêmio que um filme pode ter é ele ser seu favorito. Acho que um bom filme é aquele que faz você pensar em sua vida de forma diferente, que você muda de personalidade de repente. Acho sim que a sétima arte influencia muito a vida de uma pessoa. Nos identificarmos com um personagem e enxergar na história daquele certo filme nossa própria vida é uma sensação que fica difícil descrever em palavras. Mas o que é mais fantástico é quando o cinema desafia a mente. No meu caso, "Closer" é o filme que sempre me deixa em dúvida em certos pontos. É um dos meus filmes favoritos.

Abraços, excelente texto!

Rafael Moreira disse...

falei demais! ;P

Mayara Bastos disse...

Olá, Kau! tdo bem?

Belo texto! ;) Cinema sempre está presente, até em momentos tristes. Em até lugas que não faziamos a minima idéia que tem, rsrsrs. Como na escola! Comigo é constante as críticas que recebo em casa sobre minha paixão por cinema! Mas não ligo! rsrsrs.

Beijos e tenha um ótimo fim de semana! ;)

Kau disse...

Rafael, NÃO SE DESCULPE por ter escrito demais!!! Adoro que as pessoas falem comigo, hahahahaha. E concordo com vc e com o mestre Bertulucci. E, impressionantemente, Closer também é um dos meus preferidos e também sempre me deixa instigado. Tudo por culpa daquela personagem espetacular de Natalie Portman. Abração!

Mayara, tudo bem e vc? As escolas daqui primam bastante pelo cinema. Vários clássicos eu assisti em aulas. Inclusive agora, na faculdade, continuo tendo aulas nas quais filmes são os materiais. Beijos e ótimo fds!

Jonathan Rodrigues (Conta do Orkut) disse...

belo texto Kau, concordo com tudo
meus parabéns

existem muitos filmes que me impactaram bastante, não só como resultado de arte, mas que alteraram minha forma de ver certas coisas, folra filmes que de certa forma me influenciaram muito no estilo de cinema que eu tento transmitir tanto no passado e em futuros projetos meus

abraço

Kau disse...

Jonathan, valeu! Realmente alguns filmes me inspiraram no meu roteiro. Nada de cópia, mas inspiração mesmo. Abraços!